Header Ads

Hora do Poema 2

A seguir, apresento os poemas da segunda edição da Hora do poema. Quer ver seus poemas aqui no Acrobata também? Envie um e-mail para acrobatadasletras@hotmail.com contendo seu nome, cidade e seus poemas.















Adeus, Ana

Eu preciso
matar você.
Sem ressentimentos,
é só uma necessidade:
sobrevivência.

Dessa vez,
e só dessa vez,
louvarei Darwin
matando você.

Bem sei que
o quinto mandamento diz:
"Não matarás",
mas hoje
você morrerá.

Não matarás quem vive,
não é mesmo?
Logo, matar o que não vive
não é um pecado.

Você é só uma memória
de algo que nunca aconteceu.
Meu amor reprimido
e comprimido
entre mil versos
de amor.

Poetas tem o direito
de usar armas
quando necessário.
Sabe como é:
licença poética
pra matar decepções.

Ana, foi bom
enquanto durou.
Me desculpe,
mas eu preciso
voltar a viver.
Adeus.

(Tiros.)


AutorMurilo Ternes - Joinville, SC.
ANA
Ana Lúcia 
vieste da Rússia 
ou queres apenas 
enganar-me? 

Engana, 
difama, 
proclama teus feitos ao luar. 
Esgana-me a alma, 
Ana de Nenhum Lugar. 

É terrível, o teu amor, Ana. 
Anônimo, magnânimo 
o máximo 
de dor 
que couber 
no coração. 

Enlouqueci 
na madrugada 
que passei escrevendo
teu nome ao contrário. 
Ana, meu amor, 
eu não aguento mais 
chorar. 

Anafilaxia, 
Ana Flávia, 
Ana Maria,
Hemoglobina. 
Ana! 
Quem te fez assim 
tão grande dentro de mim?

Anna
a quanto tempo
eu não conheço você?
São só sonhos,
idealizações
de minhas solidões
multiplicadas.

Só risos
no escuro
do entardecer
sem sorriso
que diga:
“Boa noite; bom dia;
como vai você?”

Tu anas,
ele ana,
nós amamos.
Nada faz sentido
sem amor.
E Ana, meu amor
eu perdi todo
em você.

AutorMurilo Ternes - Joinville, SC.

Vem, Meu Bem

Meu bem,

por que não vem?
Enquanto o céu despenca
e a falta é tanta
aqui nesse telhado.

Vem,

por favor,
meu bem.

Vem cá,

que ficar pra lá
não resolve nada.
Eu sou só
sem você por perto.

Vem,

deixa a dor,
meu bem.

Vou chorar

mais que o céu
da nossa cidade
se você não vier,
meu bem.

Vem,

pelo amor,
meu bem.


AutorMurilo Ternes - Joinville, SC.


O passeio, mulher com sombrinha, de Claude Monet (1875. Óleo sobre tela)


"Como dizer que te amo...
Não sei se escrevo uma carta ou falo pessoalmente...
Quem sabe me revelo através da letra de uma música...
Gostaria de dizer que te amo sem precisar falar,
me expressar através de um olhar...
Queria que soubesse o que guardo dentro de mim,
é um amor puro, verdadeiro...
Mas fico sem jeito, fico com medo...
Medo que você não entenda e me esnobe...
Meu amor por ti foi construído através do tempo, de uma amizade,
de risadas e brincadeiras...
Como dizer que te amo e correr o risco de te perder???
Perder o pouco que já tenho, não escutar mais sua voz sussurrando
em meu ouvido e sem admirar seu sorriso???
Ensaiarei na frente do espelho para ganhar coragem, ficar mais segura...
Para falar que te amo, preciso colocar emoção, aí sim, quem sabe
posso tocar seu coração...
Enquanto isso vou ficar pelos cantos, observando, sonhando, até chegar
o dia que conseguirei olhar nos teus olhos e dizer : EU TE AMO" 

Autora: Marinei Luiza V. Valcanaia*.

''Procura-se um namorado...
Não um príncipe encantado...
Tem que ser diferente, inteligente...
Porque só assim saberá lidar comigo...
Tem que ser interessante, empolgante...
Para me surpreender a todo instante...
Precisa ser humorado e engraçado 
porque mesmo eu estando em prantos e desesperada
me faça a dar boas risadas...
Tem que ter um colo gostoso para
poder me aninhar e me sentir segura...
Precisa saber beijar loucamente provocar aquele friozinho na barriga...
Precisa ter paciência para me ouvir e entender meus chiliques...
Que dê um sentido aos meus dias....que eu possa suspirar, sonhar e pensar o dia inteiro ...
Preciso de um namorado que eu possa dizer realmente
que eu "QUE É MEU NAMORADO" e que me ame...
Se conhecer alguém assim pode apresentar para mim???'' 

Autora: Marinei Luiza V. Valcanaia*.

*Autora do livro Metamorfosicamente Pensando.

Desequilíbrio 



"Mas houve a hora fiquei louco,
que sufoco, que insensatez
Antes tudo era pouco,
Agora deixa eu ter a minha vez.

As coisas vão perdendo pontos,
quando tudo deixa acontecer,
mas então eu fico pronto
até que eu consiga te esquecer, outra vez.

Sinto a dor do destino a me dilacerar
O pecado é o verso, que me vem completar
Se o futuro é divino, um caminho triunfal
Corro riscos, passo pontes, até vencer o mau." (2x)

Faça o download da música: 

Música de Matheus Fructuoso (Uontem)




Gostou? Acompanhe nossa página no Facebook!





Leia também:


Tecnologia do Blogger.