Header Ads

Resenha: Viagem Sentimental ao Japão, de Paula Bajer Fernandes

Anette é um tipo de viajante que prefere não viajar. Mesmo levando uma vida monótona e fechada, fazia questão mesmo é de viajar na própria imaginação. Ironia ou não, ela começa a trabalhar em uma agência de turismo. Mas é quando planeja um roteiro para o Japão a pedido de um cliente que ela inicia uma jornada em busca do autodescobrimento.


Anette é uma trintona que levava uma vida um tanto tediosa. Sua família era desestruturada, o que fazia com que ela se sentisse uma espécie de estrangeira na própria casa. Além disso, não tinha amigos, não saía e muito menos viajava. Mesmo já tendo certa idade, só tinha ido para Santos. Mas ela gostava de ser assim... Preferia mesmo é viajar na própria imaginação e na leitura.


Entretanto, certo dia o pai dela disse que ela precisava começar a trabalhar, já que até aquele momento a família vivia apenas da aposentadoria dele. Ironicamente, a mulher consegue um trabalho em uma agência de viagens. É claro que ela precisou contar algumas mentiras para ficar com a vaga, dizendo que já tinha viajado pelo mundo inteiro e conhecido as mais diferentes culturas. Porém, Anette era uma pessoa muito inteligente. Já tinha lido todo tipo de livros sobre viagens, então conseguiu convencer o seu patrão, Marcos Paulo.


No novo emprego, ela se torna uma funcionária exemplar. Eficiente e prestativa, além de planejar as viagens de seus clientes, Anette ainda escrevia em um blog. Mas foi quando teve que fazer um roteiro para o Japão a pedido de um cliente é que ela começou a mudar. Fica obcecada por este país e inicia uma jornada em busca do autodescobrimento. Será que ela vai vencer seus medos e conseguir viajar fisicamente ao Japão?


Viagem Sentimental ao Japão é o romance de estreia da escritora brasileira Paula Bajer Fernandes, e foi finalista do Prêmio SESC de Literatura. O que mais chama a atenção no livro é a linguagem desenvolvida pela escritora. De uma maneira quase poética, a forma da narrativa é bem diferente, o que faz com que a leitura assuma um ritmo muito leve e agradável.

Paula Bajer Fernandes

A obra é mais voltada para o lado psicológico da vida. Contada em 1ª pessoa pela própria Anette, boa parte do livro é usada nas reflexões desta personagem. E como não se apaixonar pela Anette? É tão cativante, que aos poucos vamos evoluindo com ela e percebendo que temos muitas coisas em comum.
A autora também inseriu diversas referências literárias no enredo, como livros sobre viagens e de autores japoneses, o que faz com que a esperteza da personagem principal fique ainda mais evidente.
A edição do livro também impressiona. É um dos mais bonitos que já tive na minha estante. A capa é cheia de detalhes e as ilustrações têm tudo a ver com a história.


Viagem Sentimental ao Japão é uma obra surpreendente que com certeza irá cativar os mais diferentes leitores, principalmente aqueles que gostam de livros mais profundos e reflexivos. Recomendo sem reservas!



Gostou? Acompanhe nossa página no Facebook!




Leia também:

Tecnologia do Blogger.