Oi, pessoal! Tudo bem com vocês? O mês de maio promete muitas novidades bacanas no universo literário. Veja abaixo quais são as mais aguardadas!


Notas Sobre o Luto, de Chimamanda Ngozi Adichie – Editora Companhia das Letras


Escrito após a morte do pai de Chimamanda Ngozi Adichie em junho de 2020, durante a pandemia de covid-19 que mantinha distante a família Adichie, Notas sobre o luto é um poderoso relato sobre a imensurável dor da perda e as lembranças e resiliência trazidas por ela. Consciente de ser uma entre milhões de pessoas sofrendo naquele momento, a autora se debruça não só sobre as dimensões familiares e culturais do luto, mas também sobre a solidão e a raiva inerentes a ele. Com uma linguagem precisa e detalhes devastadores em cada capítulo, Chimamanda junta a própria experiência com a morte de seu pai às lembranças da vida de um homem forte e honrado, sobrevivente da Guerra de Biafra, professor de longa carreira, marido leal e pai exemplar. Em poucas páginas, Notas sobre o luto é um livro imprescindível, que nos conecta com o mundo atual e investiga uma das experiências mais universais do ser humano.



Butcher Boy: Infância Sangrenta, de Patrick McCabe – Editora Darkside Books


A infância é um período de descobertas, em que a imaginação corre solta. Em suas mentes, as crianças dão contornos de fantasia até mesmo aos aspectos mais monótonos e indigestos de sua realidade e, assim, transformam sua vida em aventura. Francis “Francie” Brady, o protagonista de Butcher Boy: Infância Sangrenta, tem essa imaginação poderosa que pode temperar a vida de uma criança, mas também algo a mais. Por trás de uma presumida fachada de inocência, se esconde um coração que pulsa com violência, revolta e indignação. Neste perturbador romance, o escritor irlandês Patrick McCabe nos oferece uma reflexão sobre o poder insidioso do ambiente na construção da ética infantil. Submetido à uma situação opressiva devido a sua classe social, sua condição familiar e sua religião, o jovem Francie prova que as crianças, definitivamente, não ficam imunes ao mundo no qual estão inseridas. 



Nomadland, de Jessica Bruder – Editora Rocco


Nomadland confirmou o seu favoritismo e ganhou os principais prêmios da noite no Oscar deste ano: melhor filme, melhor direção (Chloé Zhao) e melhor atriz (Frances McDormand). O livro-reportagem homônimo de Jessica Bruder inspirou o filme. A obra é fruto de um trabalho de três anos na estrada. A bordo de um veículo de segunda mão, Bruder seguiu os passos desses nômades americanos, percorreu vários estados e chegou a trabalhar numa fazenda de beterraba.



A Metade Perdida, de Brit Bennett – Editora Intrínseca


Ao reunir diversos núcleos e gerações de uma mesma família, do extremo sul dos Estados Unidos à Califórnia, entre os anos 1950 e 1990, Brit Bennett constrói uma história emocionante, que também analisa de forma brilhante conceitos como passabilidade e colorismo. A metade perdida trata de questões raciais, explora a influência duradoura do passado em nossas vidas — seu poder de moldar decisões, desejos e expectativas — e apresenta as razões pelas quais algumas pessoas se sentem compelidas a se afastar de suas origens.



A casa da dor, de Jo Nesbø – Grupo Editorial Record


O inspetor Harry Hole se sente sozinho. Sua namorada, Rakel, está na Rússia tentando obter a guarda do filho. Então, quando uma ex-namorada o convida para jantar, ele aceita, imaginando tratar-se apenas de um encontro inocente. Mas a situação sai do controle, e no dia seguinte Harry acorda com uma ressaca fenomenal, sem nenhuma lembrança dos eventos da noite anterior. Assim que chega ao trabalho, o inspetor da polícia de Oslo descobre que a ex está morta. Ela foi brutalmente assassinada dentro da própria casa. Confuso, ele começa a desconfiar de si mesmo, e, para piorar a situação, passa a receber e-mails ameaçadores. Será que alguém está tentando incriminá-lo? Enquanto encabeça a lista de suspeitos, Harry é incumbido de descobrir quem está por trás de uma série de assaltos a bancos em Oslo. As pistas que encontra o levam a crer que os crimes estão interligados. Determinado a desvendar todos os mistérios sobre os casos, ele é levado do frio outonal das ruas de Oslo ao calor lancinante do Nordeste do Brasil, sob a ameaça constante de um arqui-inimigo.



O imenso azul entre nós, de Ayesha Harruna Attah – Globo Livros


As gêmeas Hassana e Husseina são separadas após um ataque brutal à sua aldeia, em 1892. A partir desse traumático evento, ambas são escravizadas e seguem caminhos separados, que as levam a diferentes cidades, países e até continentes. Enquanto Hassana fica na Costa do Ouro africana, Husseina cruza o oceano até a Bahia, onde é iniciada no Candomblé. Com o passar do tempo, as irmãs crescem e levam vidas completamente diferentes em muitos aspectos, mas com algo em comum: o sentimento de que há algo faltando. Apesar da distância, elas continuam ligadas uma à outra por meio de seus sonhos. Mas será que o destino as reunirá novamente?



Atos Humanos, de Han Kang – Editora Todavia


Em maio de 1980, na cidade sul-coreana Gwangju, o exército reprimiu um levante estudantil, causando milhares de mortes. Entre os sobreviventes está o menino Dongho, de apenas quinze anos, que busca seu melhor amigo em meio às vítimas num ginásio onde os cadáveres estão à espera de reconhecimento. A história desse trágico episódio se desdobra em uma sequência de capítulos conectados à medida que vítimas e enlutados encontram a supressão e a negação do terrível massacre. O evento de trágicas consequências foi transfigurado nesta ficção extraordinária, poética, violenta e repleta de humanidade.




Por fim, queria comentar com vocês sobre um super lançamento que também acontecerá em maio/2021. A escritora e influenciadora Bruna Vieira publicou há alguns dias nos seus stories do Instagram que seu próximo livro será lançado pela Editora Seguinte. Ainda não temos informações sobre o título do livro ou data de lançamento, mas assim que possível compartilho com vocês nas minhas redes sociais.