Header Ads

Resenha: Um Leão Chamado Christian, de Ace Bourke e John Rendall


Há alguns anos atrás, quando este vídeo havia se tornado viral na Internet, sendo compartilhado por milhões de pessoas e aparecendo em diversos programas de TV em várias partes do mundo, os amigos Ace Bourke e John Rendall resolveram reeditar o livro "Um Leão Chamado Christian", que fora lançado originalmente na década de 70. 

Em meados da década de 70, eles eram apenas dois jovens australianos recém-chegados em Londres quando encontraram um leãozinho à venda em um loja de departamentos chamada Harrods. Com medo de que o animal fosse entregue para um criador ilegal ou para um circo e vivesse uma vida de maus tratos, os rapazes resolveram comprar o pobre leão.


Ace e John com Christian ainda filhote.

Mesmo sem a mínima ideia de como deveriam criar um leão e sem espaço onde ele pudesse viver, Ace e John arriscaram e o trouxeram para a casa deles. Convenceram o dono do apartamento - que também era dono de uma loja no mesmo edifício - que o filhote de leão seria útil nos negócios (a loja se chamava Sophistocat) e atrairia mais clientes.

Sua posição favorita nas escadas da loja.

No apartamento em cima da Sophistocat.

Páscoa, 1970. "E ninguém morreu..."

Com autorização para morarem com o leão no porão da loja, os dois agora precisavam encontrar um lugar mais amplo onde o animal pudesse se exercitar. Felizmente, um padre da região acabou cedendo um jardim que ficava atrás da sua igreja para que o leão pudesse brincar.

Apesar de ser um leão bem agitado, que adorava brincar com as pessoas e fazer pequenas bagunças na loja e no porão onde vivia, Christian era muito bem comportado. Ele não era violento e sabia obedecer seus donos, atraindo muitos clientes e curiosos para a loja em World's End.

Christian, como todos os leões, era fascinado por crianças.

Christian era muito curioso e nunca resistia a uma gaveta aberta.

Christian com Mark no salão de beleza Todd's, na Word's End.

Mas Ace e John sabiam que essa alegria não duraria para sempre, e que um dia Christian cresceria muito e obviamente não poderia mais viver no porão de uma loja. Então, eles saíram em busca de alguém que pudesse oferecer uma vida melhor para o leão, quem sabe reabilitando-o para a vida selvagem.

Inicialmente, eles conseguiram um lugar provisório no interior da Inglaterra, onde Christian teria mais espaço para viver tranquilamente até que pudesse ser entregue a alguém na África que o reabilitaria à sua vida natural.

Futebol na Moravian Close.

Virginia McKenna, Bill Travers, Ace e John sentados no trailer cigano de Christian em Leith Hill.

Várias semanas se passaram e Christian não parava de crescer. Felizmente, Ace e John encontraram George Adamson, que havia ficado famoso com "A História de Elza". George logo se dispôs a trazer Christian para a África e ensiná-lo a viver na natureza.

Embarcando o caixote de Christian no voo da East African Airways para Nairóbi.

George Adamson e Christian em Kora.

A partir daí, o livro "Um Leão Chamado Christian" vai contar como foi o período de reabilitação do leão de World's End, como foram seus primeiros meses na África e como foi que Christian reagiu ao ter que conviver com os primeiros leões que encontrou na vida.

Os primeiros leões que Christian viu na vida: Katania, de três meses, e Boy, que estrelou o filme A História de Elza.

Ace, John e Christian em Kora.

Christian examina o rio Tana enquanto Ace e John vigiam os crocodilos.

A primeira noite de Christian na selva africana e uma pata reconfortante no rosto de John.

A cena dos dois rapazes reencontrando Christian um ano após devolvê-lo ao seu habitat natural, na África, fez com que a história do leão que foi criado como um bichinho de estimação em Londres ficasse mundialmente conhecida.

O reencontro.

A imagem de Christian pulando no colo de seus antigos donos, Ace e John, provocou uma comoção mundial inesperada, mostrando que o amor e o afeto pode romper as barreiras da distância, do tempo e até mesmo das espécies.

Ace e John com Christian no rochedo, olhando o acampamento de George de cima.

É certamente uma história emocionante, que vai cativar o leitor, mostrando o quanto a Internet pode influenciar na conscientização das pessoas acerca da preservação da vida selvagem e de como é importante 'superar os estereótipos que a sociedade impõe aos animais, diminuindo as diferenças entre nós e revelando nossas semelhanças'. 


Gostou? Acompanhe nossa página no Facebook!





Leia também:


Tecnologia do Blogger.